Digite aqui o que você está procurando...

Observatório do Cinema

canal MPF

Canal / Nova Campinas

O SHOW DO COMÉRCIO

Extra Online - TV e Lazer

TV iG: Vídeos de notícias, futebol, lutas, clipes, moda e trailers

24 de jan de 2013

Ator e diretor Zózimo Bulbul morreu em sua casa, no Rio de Janeiro


Morreu nesta quinta (24), no Rio de Janeiro, o cineasta e ator Zózimo Bulbul, ícone do Cinema Novo, ativista na luta pela valorização do negro na sociedade brasileira. Zózimo tinha 75 anos e sofreu um infarto, quando estava em seu apartamento na Zona Sul do Rio de Janeiro. O velório é nesta quinta-feira (24), na Câmara Municipal, na Cinelândia, de 17h a 20h e também na sexta (25), de 8h às 11h.
Jorge da Silva nasceu em 1937, mas adotou como nome artístico Zózimo Bulbul. O primeiro trabalho dos mais de 30 realizados por ele ao longo de seus 50 anos de carreira foi ao lado de Cacá Diegues e Joaquim Pedro de Andrade, em “Cinco vezes favela” – longa-metragem produzido em 1962, que ajudou a inaugurar o movimento do Cinema Novo. Atrás das câmeras, o diretor se encarregou de abordar, de maneira pioneira no país, a temática afrodescendente. Sua película mais conhecida é Abolição, que estreou no centenário da libertação dos escravos, em 1988. Costumava ser chamado de “negro mais bonito do Brasil” pelo apresentador de TV Chacrinha: Zózimo era modelo e foi inclusive o primeiro protagonista negro em uma novela, a Vidas em conflito (1969), da TV Excelsior.
Zózimo Bulbul rejeitou o estereótipo da marginalidade, do escravo preguiçoso ou do negro bandido. Foi assim no cinema, na TV e no teatro. Foi idealizador e, até a morte, curador do Centro Afro Carioca de Cinema, espaço destinado à promoção da cultura afro-brasileira, localizado no bairro carioca da Lapa. À frente do Centro, incentivava o estreitamento das relações artísticas entre Brasil e países africanos, promovendo debates e mostras de cinema que contassem com a presença de artistas nacionais e internacionais.
Certa vez, o cineasta Joel Zito o definiu como “pioneiro ao registrar no cinema a temática de seu povo”. Papel que, por sinal, desempenhou até o fim da vida.
O enterro de Zózimo será na sequência do velório: ao meio-dia de sexta-feira, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores